Concursos
Panofsky-Fellowship | Data limite: 31 de Janeiro
Panofsky-Fellowship in connection with the Panofsky-Professorship at the Zentralinstitut für Kunstgeschichte Munich. The Panofsky Fellowship is connected to the Panofsky Professorship. The fellowship is intended for doctoral students and postdoctoral scholars (who have graduated within the last five years) who are working on a project related to Renaissance art. Fellows are expected to maintain a presence at the ZI, to present the Fellowship project, and to partake in the activities of the ZI and the Institut für Kunstgeschichte of the LMU. The fellowship lasts three months.
Gauvin Alexander Bailey, Queen’s University, Kingston, Ontario, will hold the Panofsky Professorship at the Zentralinstitut für Kunstgeschichte Munich in May and June 2017. In connection with this professorship the Zentralinstitut für Kunstgeschichte seeks applications for a Panofsky Fellowship.
The fellowship is intended for doctoral students and postdoctoral scholars (who have graduated within the last five years) who are working on a project related to “Contact Zones: Early Modern European Art and Its International Diffusion”. Fellows are expected to maintain a presence at the ZI, to present the Fellowship project, and to partake in the activities of the ZI and the Institut für Kunstgeschichte of the LMU. The fellowship lasts three months and commences either in April or in May 2017. Graduate fellows will receive a monthly stipend of 2000 Euros. Postgraduate fellows will receive 2500 Euros per month. In addition, it will be possible for non-residents of Germany to take advantage of a one-time travel subvention.
+info/fonte: http://en.zikg.eu/fellowships/panofsky-fellowship
James Loeb Fellowship for the Classical Tradition in Art and Architecture at the Zentralinstitut für Kunstgeschichte, Munich | Data limite: 15 de Março
The Zentralinstitut für Kunstgeschichte will award two James Loeb Fellowships for the Classical Tradition in Art and Architecture.
The fellowship commemorates James Loeb (1867 New York – 1933 München), graduate of Harvard University, initiator of the Loeb Classical Library project and art collector. The fellowship is intended to support research that reflects Loeb’s central interests.
The fellowship is intended for doctoral students and postdoctoral scholars who have graduated within the last five years and who are working on a project related to the classical tradition in art and architecture, from the Middle Ages to the present. Fellows are expected to partake in the activities of the ZI and to present the fellowship project. The fellowship lasts three months, starting either on June 1, 2017 or on September 1, 2017. In addition to a monthly stipend of 1.500 EUR, lodging will be provided in a form of an apartment. Individuals applying from outside of Germany may be awarded a one-time travel subvention.
+info/fonte: http://en.zikg.eu/fellowships/james-loeb-fellowship

Calls
The Secret Arts and the Art of Secrets | Data limite: 29 de Janeiro
symposium exploring the relationship between art and esotericism, University of Toronto, March 10, 2017.
Justly or not, esotericism has been universally excised from modernist perceptions of the world: the practice of astrology has been distanced from astronomy; alchemy has been distilled from chemistry; and magic has been calculated out of the numerous equations of physics. The modern antipathy to Esotericism, however, has been tempered by exciting research over the past thirty years with increasingly more papers, periodicals, conferences, and academic programs that seek to rehabilitate, reveal, and interrogate the formative role that Esoteric traditions have had and continue to have on contemporary culture.
This symposium aims to participate in this movement by investigating Esotericism in the context of visual culture from Antiquity to the present.  It seeks to provide a forum for scholars from a wide variety of fields who are keen about this engaging topic, but who may be finding it difficult to connect with other researchers on a subject that has only recently gained momentum within established academic curricula. We invite participation from students and scholars, new to the field or not, who may be deploying systems of visual and material culture in their research as a basis for illustration or argumentation.
Acceptable topics may generally include, but are by no means limited to, the following: i) The role of visual representation in Antique, Medieval, or
Renaissance hermeticism. ii) Images in the Mystery religions of Antiquity. iii) Art and illustration in astrology. iv) Symbolism in alchemy or the kabbalah. v) Anthroposophy or theosophy in modernist visual culture. vi) Gesture and performance in magic, witchcraft or ritual. vii) Esoteric imagery in contemporary interpretations and appropriations. viii) Renaissance magic and the language of emblems. ix) The illustrations of the tarot. x) Spiritism and spirit photography. xi) The spiritual and occult revival in avant-garde art movements such as Symbolism, Expressionism, Orphism, or Surrealism. xii) Talismanic magic and the power of image in Medieval esotericism. xiii) Interactions of the body in sacred geographies or architectures. xiv) The supernatural or the paranormal in film and cinema. xv) Esoteric imagery through the lens of contemporary theoretical models such as gender and queer theory. xvi) The iconography of Freemasonry, Rosicrucianism, or other Secret Societies. xvii) The Esoteric aspects and influences of non-Western art and architecture, including Chinese, Asian, and South Asian visual and material cultures.
+info/fonte: https://gustasymposium.wordpress.com/

Mobility and Space in Late Medieval and Early Modern Europe | Data limite: 01 de Fevereiro
Mobility and Space in Late Medieval and Early Modern Europe, 23-24 June 2017, Radcliffe Humanities Building – University of Oxford. Organisers: Luca Zenobi (New) and Pablo Gonzalez Martin (Wadham). Keynote speakers: Rosa Salzberg (Warwick) and Mario Damen (Amsterdam).
The application of spatial paradigms to the study of late medieval and early modern societies is now well underway. In contrast, the so-called ‘mobility turn’ has struggled to find its way from the social sciences to the humanities and particularly to disciplines concerned with the study of the past. This conference proposes to bring the two together by exploring how everyday mobility contributed to the shaping of late medieval and early modern spaces, and how spatial frameworks affected the movement of people in pre-modern Europe.
In focusing on these issues, the conference also intends to relate to current social challenges. The world is now more mobile than ever, yet it is often argued that more spatial boundaries exist today than ever before. The conference hopes to reflect on this contemporary paradox by exploring the long-term history of the tension between the dynamism of communities, groups and individuals, and the human construction of places and boundaries.
Papers may engage with questions of mobility and space at a variety of levels (regional, urban, domestic) and interdisciplinary approaches are particularly encouraged. Potential sub-topics may include, but are by no means limited to: i) Performing space through movement (urban processions, revolts on the move, border patrols & frontier trespassing); ii) Mobile practices in public spaces (itinerant courts & diplomatic exchanges, periodic markets & temporary fairs, travelling performances); iii) Narrating movement, imagining space (pilgrimage guides, merchant itineraries travel diaries, maps & portraits); iv) Digital scholarship in exploring the intersections between mobility and space (network analysis, flow modelling, GIS-based research).
We plan to edit a volume which will include selected papers from the conference.
Thanks to the generosity of our sponsors, we may also be able to provide some travel bursaries to PhDs and ECRs not in receipt of institutional support.
+info/fonte: www.themedievalacademyblog.org/call-for-papers-mobility-and-space-in-late-medieval-and-early-modern-europe/

Oceans and Shores: Heritage, People and Environments | Data limite: 01 de Fevereiro
The III CHAM International Conference will be held in Lisbon, July 2017, and its main theme is “Oceans and Shores: Heritage, People and Environment”. This third edition is part of CHAM’s programme within the UNESCO Chair “The Oceans Cultural Heritage”, won by CHAM in 2016.
Coastal seas and open oceans have always been a realm for epic adventures, for misfortunes and new discoveries, a place for the construction of stories and legends, and for the creation of myths and imaginary geographies. Home of different ecosystems and of plentiful resources, in the offshore waters of the worldoceans and in the nearby shores of all continents, sources of food were found and exploited, new industries, cities and ports were established and developed, different ways of communication and transfer of people, products and knowledge were created and explored.
Humans throughout time and geographies, by exploring the oceans and coastal regions, have produced new technical competences, new political and social strategies, new systems of exchange and circulation, new cultures and ways of living, and new worldviews. And by doing so, have created a panoply of historical, cultural and natural models that can nowadays be perceived and analysed in a multitude of perspectives. The presence of the sea in human societies and the use of sea by people have produced both tangible and intangible heritage, impacts and memories, that can help us understand the historical relation of people and the sea and shape its legacy for future generations.
The III CHAM International Conference follows the main strategic scientific project of CHAM – Frontiers – also encompassing the global objectives of the UNESCO CHAIR “The Cultural Oceans’ Heritage” held by Universidade NOVA de Lisboa. In this conference a multidisplinary and integrative approach to the main theme “Oceans and shores: Heritage, people and environments” will be encouraged, allowing the presentation of worldwide scientific novelty, the discussion of comparative narratives and the implementation of complementary methodologies, with impacts in distinct fields of science and of the society.
We invite scholars from all humanities and social sciences, as well as from related natural and environmental sciences, to submit panel proposals on the following themes: i) Historiography and new methodological approaches; ii) Best practices and multidisciplinary research; iii) The sea in ocean history; iv) Local and global identities; v) Cultural and natural oceans’ heritage; vi) History of marine environments; vii) Environmental and societal changes; viii) Coastal cities and communities; ix) Networks, trade and circulation; x) Nature, science and world views; xi) Frontiers: visible and invisible; xii) Perceptions, conceptions, myths and realities; xiii) Stories of the sea: Literature, memory and oral history.
+info/fonte: www.nomadit.co.uk/cham/cham2017/cfp

Coleccionismo, Mecenazgo y Mercado Artístico: su proyección en Europa y América | Data limite: 28 de Fevereiro
Los organizadores del II Congreso Internacional: Coleccionismo, Mecenazgo y Mercado Artístico: su proyección en Europa y América, les damos la bienvenida y convocamos a investigadores, licenciados, graduados, doctorandos y doctores en disciplinas humanísticas (Historiadores del Arte, Historiadores, Filólogos, Filósofos, Juristas, etc…), a participar en el citado evento. El encuentro tiene como objetivo posibilitar la presentación de trabajos sobre las disciplinas del coleccionismo, mecenazgo y mercado artístico en todos los territorios de Europa y América, sin límite temporal. Igualmente, se admitirán propuestas dedicadas al pintor sevillano Bartolomé Esteban Murillo, como homenaje al IV centenario de su nacimiento, vinculadas a su época, producción, seguidores e influencia hasta la actualidad. La presente edición, organizada por el Máster Universitario en Patrimonio Artístico Andaluz y su Proyección Iberoamericana, se celebrará los días 22, 23, 24y 25 de mayo de 2017, y tendrá lugar en la Facultad de Geografía e Historia de la Universidad de Sevilla y en el Centro de Estudios Hispanoamericanos (CSIC).
Las líneas de investigación planteadas en esta edición, sin límite temporal, son las siguientes: Línea 1. Mecenazgo arquitectónico en Europa y América. Línea 2. Coleccionismo, mecenazgo y mercado escultórico en Europa y América. Línea 3. Coleccionismo, mecenazgo y mercado pictórico en Europa y América. Línea 4. Coleccionismo, mecenazgo y mercado cinematográfico y fotográfico en Europa y América. Línea 5. Coleccionismo, mecenazgo y mercado literario y teatral en Europa y América. Línea 6. Coleccionismo, mecenazgo y mercado de artes suntuarias en Europa y América. Línea 7. Coleccionismo, mecenazgo y mercado musical en Europa y América. Línea 8. Murillo: época, producción, seguidores e influencia en Europa y América.
+info/fonte: https://jovenesinvestigadoresus.wordpress.com/2015/10/25/bienvenidos-welcome/

Rewiring Romans. Medieval Liturgies as Tools for Transformation | Data limite: 15 de Março
Workshop, 15-17 June 2017, The Norwegian Institute in Rome.
Liturgies are multisensory reconstructions of narratives. Enacted in highly structured architectural spaces, supported by visual representations, by sounds, smell, touch, and movement, medieval liturgies created and sustained a repertoire of narratives, reframing identities and social meanings. These multimodal forms of social communication tap into powerful structuring processes in human cognition, redefining the boundaries between self and other and reorganizing the hierarchy of values. Participatory multimodal enactments of narrative dramas, defining new goals, obstacles, resources, and strategies, communicate a collective vision that not only informs, but transforms.
The aim of this workshop is to bring together scholars studying individual and collective identity formation within texts, material culture, and performative liturgies in the middle ages with researchers from cognitive science and visual communication to build a new integrated framework for understanding social change and the multimodal communicative tools developed to foster such change. We ask, how did the liturgy change people? What were the underlying principles for its design? What can we learn about the cognitive and cultural processes involved in social change from liturgical practices and its underlying theories?
In early and high medieval societies, the locus of transformation was the liturgical event and its multimodal registers in the form of surrounding pictorial and architectural structures, chants, correlated sermons and preaching, and their informing theoretical framework expressed in the liturgical commentaries. The ritual spaces provide a stage – both internal and external – in which new identities could be enacted. The liturgy was by far the most high-tech as well as the most pervasive of all communication forms in the Latin West. The liturgy engaged rich and poor, clerical and lay, military and ecclesiastical, male and female, urban and rural, literate and illiterate (Heffernan & Matter 2001:4). It was a ‘structuring force’ for medieval communities (Le Goff, 2003:30), the ‘social glue’ that held a political and social entity together (Romano 2014:6). It was also highly flexible, continually adapting to changing circumstances (Boynton 2006). Despite scholarly intuitions about the pervasive force of the liturgy, a concrete understanding of the actual processes at work — its textual, auditive, visual, gestural, kinaesthetic, and experiential dimensions — still await critical elucidation. Additionally, scholars have taken an interest in the material culture of performative devotion, dedicating attention to the role of artefact in their ritual settings and emphasizing the role of images – immaterial and material – in medieval cognition and culture (Carruthers 1998). Some of the most recent work has opened up to the topic of liturgical multimodality (Palazzo 2014; Jørgensen, Laugerud & Skinnebach 2015); we wish to broaden this scholarship to encompass interactions with social and cognitive processes. Like social media today, liturgical rituals were a pervasive aspect of medieval life, performative, multisensory, and immersive. They were performed in dedicated spaces designed to facilitate collective transcendence, providing material anchors for new identities in the form of paintings and statues of the saints — new role models for a new society.
Emphasizing the need for cross-cutting insights into overarching themes, synthesizing the unique individual perspective from different subdisciplines into a shared and unified vision, we invite scholars from a broad range of disciplines — including history, religion, literature, anthropology, art history, musicology, and theology– to contribute their perspectives on the transformative potential of sensory experience and the tools developed and refined to shape new narratives and identities in post-Roman and medieval Europe.
Central questions for the workshop are: What were the social and cognitive processes involved in religious ritual, such as imaginative immersion, deictic displacements, and elements of play and performance? What were the underlying principles and theories for the design of the liturgy, especially medieval theories of cognition, rhetoric, and the senses that structured visual representations and liturgical performances? What is the illocutionary force of liturgies: What makes a performance valid? How could the liturgy breach the boundaries between heaven and earth, here and now and there and then? How did the changing designs of ritual spaces and practices have impact on society in relation to political legitimacy, creation of social unity, etc.? What were the mechanisms of the liturgical influence out of Rome / into Rome in the medieval period? What can we learn about how medieval liturgies spread and developed in the middle ages from perspectives of connectivity, socio-spatial networks, social network analysis, (SNA) and distributed cognition? How did medieval liturgies work to transform people’s self-defining goals, obstacles, strategies, and resources, i.e., their framing narratives? Can we tease out from our limited sources bottom-up perspectives on social change, in contrast to more common top-down perspectives?
+info/fonte: www.themedievalacademyblog.org/call-for-papers-rewiring-romans-medieval-liturgies-as-tools-for-transformation/

100 Futurismo | Data limite: 31 de Março
Congresso Internacional Luso-Brasileiro 100 FUTURISMO (Rio de Janeiro; 30, 31 maio e 1, 2 junho / 2017; Lisboa: 14, 15, 16 e 17 de novembro / 2017).
Em 2012, o CLEPUL (Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias, da Universidade de Lisboa) e o LEPEM (Laboratório de Estudos de Poéticas e Ética na Modernidade, da Universidade de São Paulo) deram início a um projeto de trabalho que culminou com a organização do Congresso Internacional Luso-Brasileiro 100 ORPHEU, que teve lugar em 1915, em Lisboa (na Fundação Calouste Gulbenkian e no Centro Cultural de Belém) e em São Paulo (na Universidade de São Paulo). O CLEPUL continua o projeto, agora com a CÁTEDRA JORGE DE SENA (da Universidade Federal do Rio de Janeiro), e, juntos, procuram delinear cuidadosamente, laborar intensamente, no sentido de celebrarem os 100 anos da publicação da revistaPortugal Futurista. Nesse sentido, irão organizar o Congresso Internacional Luso-Brasileiro 100 FUTURISMO — que decorrerá, no Brasil, na Universidade Federal do Rio de Janeiro e na Universidade Federal Fluminense (maio e junho de 2017) e, em Portugal, na Fundação Calouste Gulbenkian (novembro de 2017).
Trata-se de, novamente com a colaboração e a presença já confirmadas de reconhecidos professores e investigadores (Arnaldo Saraiva; Diego Poli; Eduardo Lourenço; Ettore Finazzi-Agrò; Fernando Cabral Martins; Fernando Guimarães; Fernando Pinto do Amaral; Isabel Ponce de Leão; José Blanco; José Carlos Seabra Pereira; José-Augusto França; Miguel Real; Nuno Júdice; Onésimo Teotónio Almeida; Perfecto Cuadrado Fernandéz; Piero Ceccucchi; Roberto Vecchi; Teresa Rita Lopes, entre muitos outros), refletir, essencialmente, sobre o papel da revista Portugal Futurista nas comunidades e nas literaturas de língua portuguesa dos séculos XX e XXI, bem como sobre um conjunto de escritores, poetas, artistas, que nessa revista participaram — Almada Negreiros, Fernando Pessoa, Álvaro de Campos, Guilherme de Santa-Rita, Mário de Sá-Carneiro, Amadeo de Souza-Cardoso, Raul Leal, Apollinaire, Marinetti, entre outros —, e que, dois anos depois da revolução de Orpheu (e balizados, também, pelo timbre das obras que acabaram, afinal, por legar à posteridade), aprofundaram, ainda mais, a descontinuidade moderna.
Atendendo à importância académica e ao peso institucional deste Congresso, as Comissões Organizadoras empreendem esforços no sentido de congregarem especialistas e críticos renomados, como também escritores, poetas, artistas que deponham e reflitam sobre o impacto e influência que os futuristas causaram e vêm causando no campo literário, artístico e estético. Para além disso, e na continuidade do 1º momento que foi o Congresso Internacional 100 ORPHEU, terão, na Comissão de Honra Institucional, a presença de diversas Instituições portuguesas e brasileiras ligadas à cultura e à arte de modo geral, bem como de Universidades e Centros de Pesquisa cujos representantes e especialistas promovam o mais fecundo debate.
Concebendo-se este Congresso Internacional como mais uma oportunidade de intensificar os laços históricos e culturais entre Brasil e Portugal, procurar-se-á, assim — entre conferências plenárias, comunicações, mesas redondas, painéis temáticos, exposições, colóquios paralelos, programas artísticos de teatro, concertos, passeios literários, etc. —, refletir amplamente sobre: os trabalhos, as obras, a herança, deixados por uma plêiade de personalidades portuguesas que se destacaram pelo gesto futurista (assinalado axialmente pela revista Portugal Futurista); a relação do Futurismo e das vanguardas europeias com a Semana de Arte Moderna de 1922; a ligação, no registo futurista, entre literatura e outras artes; a relação entre Futurismo e outras vanguardas do século XX nos espaços de língua portuguesa; a relação entre futurismo, vanguardas e ideologias; a tradição das revistas literárias; etc.
Assim se procurará, em última instância, refletir sobre o texto futurista, sobre a obra futurista, sobretudo no que eles conglomeram de agonismo, antitradicionalismo, imperatividade, carnavalização, mas também anseio de construtividade.
Áreas temáticas: i) Futurismo(s); ii) Portugal Futurista e a EuropaM; iii) Portugal Futurista e a tradição das revistas literárias; iv) Futurismo: literatura e outras artes; v) Os Manifestos vanguardistas; vi) Futurismo: Crítica genética; vii) Futurismo: Tradução; viii) O Futurismo, as Vanguardas e a Semana de Arte Moderna de 1922; ix) Futurismo / Vanguardas nos espaços de Língua portuguesa; x) O Futurismo e as Vanguardas do Século XX; xi) Futurismo, Vanguardas, Ideologia.
+info/fonte: www.100futurismo.com/inscri%C3%A7%C3%A3o/portugal

Encontros
Amadeo de Souza-Cardoso / Porto Lisboa / 2016 – 1916 –  À descoberta da Liga Naval de Lisboa | 21 de Janeiro | Aquário Vasco da Gama | Oeiras
Sessão do Ciclo de Conferências Amadeo de Souza-Cardoso / Porto Lisboa / 2016 – 1916.
Em Dezembro de 1916, um mês depois da exposição no Porto, Amadeo de Souza-Cardoso inaugurou a sua exposição individual em Lisboa, na Liga Naval Portuguesa, situada no Palácio Calhariz-Palmela. Ao contrário do Jardim Passos Manuel, propenso a eventos massificados, a Liga Naval no período da exposição de Amadeo era um espaço elitista que acolhia temporariamente concertos, exposições e conferências. A exposição de Amadeo ali instalada contrastava com uma exposição permanente de história natural (a coleção oceanográfica de D. Carlos I, actualmente visitável no Aquário Vasco da Gama) e dialogava com um enquadramento político especialmente conotado com a reação à I República.
Após uma contextualização da história da Liga Naval Portuguesa e das actividades que acolheu, esta sessão procurará sondar ligações entre arte, arquivo e história natural, analisar duas conferências realizadas na Liga Naval e reequacionar a exposição de Amadeo em Lisboa a partir desta teia de relações.
Com Fernando David e Silva, João Oliveira Duarte, Manuel Deniz Silva, Pedro dos Santos Sarreirita e Marta Soares. Moderação: Margarida Brito Alves.
Sessão após visita, às 14h30, à exposição “O príncipe que sonhava com o fundo do mar” orientada por Maria José Pitta e Paula Leandro
+info/fonte: www.patrimoniocultural.pt/pt/agenda/meetings-and-conferences/ciclo-de-conferencias-amadeo-de-souza-cardoso-porto-lisboa-2016-1916/

Conferência “La Ciudad de Lisboa como Puerta Hacia el Mar: La Nau Saõ Roque y la Carrera de India (1602-1603)” | Orador: Koldo Trapaga Monchet | 23 de Janeiro | Museu Arqueológico do Carmo | Lisboa
Iniciativa da Comissão de Estudos Olisiponenses da Associação dos Arqueólogos Portugueses.
+info/fonte: www.museuarqueologicodocarmo.pt/agenda_cientifica.html

La Copia Pittorica a Napoli tra 500 e 600. Produzione, Collezionismo, Esportazione | 23 de Janeiro | Nápoles, Itália
Giornata di studio a cura di David García Cueto e Andrea Zezza.
Anche se fu un elemento molto rappresentativo della cultura artistica napoletana di età moderna, il fenomeno della copia pittorica ha finora ricevuto scarsa attenzione negli studi. Il progetto internazionale Copimonarch. La copia pittorica nella Monarchia Ispanica, secoli XVI-XVIII finanziato dal Governo spagnolo (HAR2014-52061-P, Ministero di Economía y Competitividad, Gobierno de España), intende riconsiderare il fenomeno alla luce della più attuale storiografia, focalizzando l’attenzione sui grandi centri artistici della Penisola Iberica, ma anche sui territori legati in passato al potere spagnolo.
Uno di questi è il regno di Napoli, la cui capitale fu il principale centro artistico del Sud d’Italia e la più popolosa città dell’impero ispanico tra XVI e XVII secolo. Napoli fu anche un grande centro di produzione e diffusione di copie pittoriche, che molto spesso servirono a diffondere le creazioni di artisti come Caravaggio, Ribera e Luca Giordano. Dalla città, non poche di quelle copie passarono al territorio iberico, rinsaldando i legami artistici e culturali con la Spagna.
Questa giornata di studio, grazie alla partecipazione di riconosciuti studiosi italiani e spagnoli, intende rivolgere per la prima volta uno sguardo approfondito alle copie pittoriche della scuola napoletana e alla loro circolazione.
+info/fonte: http://wdb.ugr.es/~copimonarch/wp-content/uploads/la-copia-pittorica-a-napoli-programma-definitivo-03.pdf

Conferência “Iconografía del Primer Fascismo Español (1933-1945): Símbolos, Ritos, Lugares de Memoria” | Orador: Juan Francisco Fuentes | 24 de Janeiro | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Iniciativa do Centro de História da Universidade de Lisboa, esta conferência tem como convidado o professor Juan Francisco Fuentes (Universidad Complutense de Madrid) e inaugura o Seminário Passados Próximos, Memória e História.
A entrada é livre.
+info/fonte: www.centrodehistoria-flul.com/abertura/iconografia-del-primer-fascismo-espanol-1933-1945-simbolos-ritos-lugares-de-memoria-passados-proximos-memoria-e-historia-seminarios-ch-ulisboa

Os Selos: Novas Velhas Fontes Históricas | Oradora: Maria do Rosário Morujão | 24 de Janeiro | Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Sessão do Seminário Metodologias em História Medieval.
A renovação da sigilografia verificada desde há ainda poucas décadas veio dar um novo alento ao estudo dos selos que, nos últimos anos e em vários países, têm sido tema de grandes exposições, de reuniões científicas multidisciplinares e de projectos de investigação. Em Portugal, o interesse pela disciplina tem vindo a crescer nas últimas duas décadas. Mas não se pode estudar ou divulgar o que não se sabe que existe nem onde se encontra, e o contacto com os selos tem demonstrado a urgência da inventariação, catalogação e preservação do acervo sigilográfico nacional, e da necessidade de o preservar, enquanto património cultural que se encontra em risco real de desaparecer. Esse é o objectivo do projecto SIGILLVM PORTVGALIAE, iniciado em 2013 com os selos do clero secular medieval que será apresentado neste seminário.
Entrada livre.
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=noticia&id=1115

Ciclo de Conferências “Sobre a Forma e o Espírito da Arte na Diocese de Leiria-Fátima” | Início: 25 de Janeiro | Museu de Leiria
Departamento do Património Cultural (DPC) vai organizar um ciclo de cinco conferências, intitulado “Sobre a forma e sobre o espírito da arte na Diocese de Leiria-Fátima”. O local escolhido é o Museu de Leiria, com o apoio da Câmara Municipal, visando “chegar aos diferentes tipos de públicos” e abrir a iniciativa “a toda a comunidade eclesial e civil”.
Segundo Marco Daniel Duarte, diretor do DPC de Leiria-Fátima, o objetivo é “inscrever o património da Diocese na História da Arte em Portugal e sublinhar a importância de diferentes episódios artísticos que tiveram lugar neste território”. Para tal, foram convidados especialistas em áreas como a arte sacra, a museologia e a heráldica.
A primeira conferência será a 25 de janeiro, às 21h15, com o tema “À maneira de catálogo: peças notáveis da escultura barroca da Diocese de Leiria-Fátima”, sendo oradora Sandra Saldanha, diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja. As restantes conferências serão nas quatro quartas-feiras de fevereiro, sempre às 21h15. A participação neste ciclo é gratuita, embora sujeita à lotação da sala.
+info/fonte: hwww.leiria-fatima.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=10854:conferencias-sobre-o-patrimonio-da-diocese&catid=79&Itemid=671

V Congresso Internacional de Cidades Criativas | 25 a 27 de Janeiro | Porto
Universidade do Porto vai acolher o V Congresso Internacional de Cidades Criativas, nos próximos dias 25, 26 e 27 de janeiro. Uma iniciativa conjunta do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória” e da Associação Científica ICONO14 (Espanha), terá lugar na Faculdade de Letras. O Congresso Internacional de Cidades Criativas assume como objetivo fundamental a implementação de um espaço de debate, amplo e inovador, focado em diferentes perspetivas e soluções que enfatizam a criatividade em espaços urbanos nacionais e internacionais. Daí que as edições prévias tiveram lugar em Madrid, Espanha (2009, 2011 e 2016) e em Campinas, Brasil (2013).
Do programa desta 5ª edição do evento, destacam-se desde logo os dois keynote speakers: Francesco Bandarin (Diretor Geral Adjunto da Cultura da UNESCO) e Carlos Abrunhosa de Brito (Presidente da ADDICT – Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas em Portugal). Realizar-se-ão também sete mesas redondas, dedicadas a temas como a Tecnologia, a Cultura, a Arquitetura, a Cidadania, a Educação, o Comércio, o Turismo ou a Identidade Urbana, e nas quais encontraremos especialistas portugueses e estrangeiros. Haverá ainda dois Fóruns de Cidades Criativas, onde representantes de cidades nacionais e internacionais partilharão algumas experiências e projetos de forte componente criativa e urbana. Finalmente, estão previstas 25 sessões de comunicações, com participantes e trabalhos procedentes de vários continentes e das mais diversas áreas epistémicas e empíricas.
Pretende-se, assim, promover um debate crítico de elevado interesse para uma comunidade alargada de docentes, alunos, investigadores e profissionais das mais diversas áreas.
O V Congresso Internacional de Cidades Criativas tem o apoio da Câmara Municipal do Porto, pelo que o primeiro dia do evento terá lugar na Biblioteca Municipal Almeida Garrett. A Porto Ferreira e a GEMA, Digital and Technology Agency juntaram-se ao evento.
+info/fonte: www.cidadescriativas2017.com

Curso “Artes Integradas no Património Arquitetónico Ambientes Decorativos Civis em Portugal e no Brasil (Séc. XVIII a XIX)” | Docente: Gonçalo Vasconcelos e Sousa | Início: 25 de Janeiro | Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves | Lisboa
Um dos temas comuns à arquitectura civil de Portugal e do Brasil, entre os séculos XVIII e as primeiras décadas do século XX, centra-se nos formação dos ambientes decorativos dos espaços civis. A partir de um conjunto de reflexões baseadas num rico acervo iconográfico, muito dele inédito ou desconhecido, será privilegiada a transversalidade da análise do uso dos objectos nos ambientes, a formação e evolução do gosto e o acesso à importação de peças e elementos integrados na arquitectura, sempre recorrendo a numerosos exemplos estudados (muitos deles de acesso restrito) e comparados do ponto de vista da herança cultural e patrimonial dos dois países.
+info/fonte: http://blogdacmag.blogspot.pt/

Obra em Foco: Retrato de D. Francisco de Moura Corte Real, 3.º Marquês de Castelo Rodrigo | Orientação: Miguel Soromenho | 25 de Janeiro | Museu Nacional de Arte Antiga | Lisboa
Na última quarta-feira de cada mês, a partir das 18h00, o Museu Nacional de Arte Antiga organiza, no âmbito do Programa OBRAS EM FOCO, uma visita à volta de uma obra selecionada da coleção do Museu.
Entrada livre.
+info/fonte: www.patrimoniocultural.pt/pt/agenda/visitas-guiadas/obras-em-foco-no-mnaa/

Visita Guiada à Exposição Amadeo de Souza Cardoso Porto Lisboa 2016-1916 | Orientação: Raquel Henriques da Silva | 25 de Janeiro | Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado | Lisboa
+info/fonte: www.museuartecontemporanea.pt/pt/programacao/1804

Curso “Arqueologia da Arquitectura” | Início: 30 de Janeiro | Museu de Lisboa – Teatro Romano
Promovido pelo Museu de Lisboa – Teatro Romano e pela Câmara Municipal de Lisboa (Departamento de Formação), terá lugar nas instalações do Museu de Lisboa-Teatro Romano nos dias 30 e 31 de janeiro / 6, 7, 8 (das 18h às 20h) e dia 11 de fevereiro de 2017 (das 9.30h às 13.30h). Formadores: Paulo Almeida Fernandes, Maria Ramalho, Luís Mateus e Lídia Fernandes
+info/fonte: www.museudelisboa.pt/exposicoes-actividades/detalhe/news/curso-arqueologia-da-arquitetura/?no_cache=1&tx_news_pi1%5Bcontroller%5D=Event&tx_news_pi1%5Baction%5D=eventDetail&cHash=e8ca73c2e945c3aa65b44c8ecaeb0d68

Curso Livre “Grandes Batalhas da Antiguidade” | Início: 01 de Março | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Iniciativa do Centro de História da Universidade de Lisboa, o curso que agora se apresenta procura, em sucessão cronológica, e de forma modular, apresentar e desenvolver os diversos aspectos, de ordem táctica e estratégica, em torno de um conjunto de importantes batalhas travadas no Mundo Antigo, desde o Antigo Egipto até aos finais do Mundo Romano. Os docentes do curso são quatro especialistas em História Militar do Mundo Antigo e investigadores do Centro de História que oferecem aos interessados uma visão ampla e acessível de diferentes aspectos sobre a guerra e a História Militar do Mundo Antigo.
O curso terá lugar todas as quartas feiras, de 1 de Março até 5 de Abril de 2017, das 18:00 às 20:00.
+info/fonte: www.centrodehistoria-flul.com/abertura/grandes-batalhas-da-antiguidade-curso-livre-ch-ulisboa

Séminaire “L’Iconographie Musicale et l’Art Occidental. Lieux et Espaces en Musique” | Início: 08 de Março | Paris, França
Institut national d’histoire de l’art, Paris, Institut de recherche en musicologie (UMR 8223 – CNRS, Université Paris-Sorbonne, BnF, ministère de la culture) et UFR Musique et musicologie, Université Paris-Sorbonne. Organisation : Sébastien Biay, Fabien Guilloux, Louise-Elisabeth Queyrel. Comité scientifique : Sébastien Biay, Frédéric Billet, Florence Gétreau, Fabien Guilloux, Isabelle Marchesin.
Dans le prolongement d’un premier séminaire dédié aux représentations des pratiques musicales et de leurs significations, la deuxième édition du séminaire L’iconographie musicale et l’art occidental sera consacrée aux représentations de la musique dans des lieux et dans des espaces où s’accomplit la performance musicale. On envisagera le lieu et l’espace dans leurs dimensions vécues, mentales et dans leurs représentations visuelles. Les interventions porteront ainsi une attention plus particulière aux éléments musicaux, acoustiques, visuels, architecturaux et socio-culturels qui interagissent entre : 1/ les lieux (agencements et dispositions, aménagements et décors, matériel musical, conceptions de la musique ; 2/ les actes de performance musicale (rites, répertoires, gestes musicaux) ; 3/ les interactions humaines qui s’y déploient (comportements des musiciens et des auditeurs).
Les interventions se concentreront sur les représentations figuratives de la performance musicale envisagées au prisme des lieux et des espaces où la musique se manifeste, qu’ils soient réels ou fictifs, pouvant inscrire la musique dans une construction spéculative du monde.
Les séances seront sériées chronologiquement et thématiquement, confrontant des lieux et des espaces de nature et de natures différentes : 1/ clos (studiolos, villas aristocratiques, chapelles et églises réservées à une communauté) ; 2/ semi-ouverts, incluant différents acteurs sociaux selon des logiques sélectives (églises accueillant des fidèles, salons de musique, salles de concert, opéras ; 3/ ouverts (performance en plein air, représentations de la musique dans sa relation à la totalité du cosmos).
+info/fonte: www.inha.fr/fr/recherche/programmation-scientifique/en-2016-2017/l-iconographie-musicale-et-l-art-occidental-ii.html

Curso Livre “Compreender as Imagens Medievais – Personagens, Histórias e Mitos através da Arte” | Docentes: Carla Varela Fernandes, Alícia Miguélez Cavero | Início: 16 de Março | Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
principal objectivo do curso é desenvolver conhecimentos e capacidades de análise para auxiliar na identificação, interpretação e descodificação das imagens e narrativas na arte medieval cristã. A Arte, para além de produzir objetos que suscitam emoções e fascínio visual, serviu funções devocionais (arte religiosa), e é também uma fonte histórica, um conjunto de documentos para serem lidos e interpretados a partir das formas e das opções de representação (a par da documentação escrita e dos achados arqueológicos). É, por isso, um precioso auxiliar para o entendimento da História do pensamento e das emoções da Humanidade. As imagens que aqui propomos analisar têm origem nos 10 séculos da designada Idade Média, e foi nesse tempo preciso que se forjaram, desenvolveram e fixaram as principais iconografias da arte ocidental e oriental, as quais tiveram continuidade e transformação nos séculos seguintes, até aos nossos dias. Pretende-se que os alunos tenham uma ampla panorâmica das principais representações que a arte medieval produziu (em Portugal e na restante Europa), focando a atenção nos temas mais representativos e mais disseminados, e respectivas variantes. Da mesma forma, promove-se a capacidade de observação e de estabelecer ligações entre o que as imagens e as narrativas visuais colocam em destaque e as fontes escritas (bíblicas e outras) e de como essas representações se alteraram ou se mantiveram estáveis ao longo dos séculos (do século V ao XV), de acordo com as mutações sociais, políticas, económicas e das mentalidades.
Decorrerá ao longo de treze sessões de duas horas, incluindo sessões em sala de aula e uma sessão num museu com relevante coleção de arte medieval. O curso destina-se principalmente a alunos ao nível da Licenciatura, Mestrado e Doutoramento, mas também a profissionais das áreas do Turismo (Guias-Interpretes) e da Conservação e Restauro, e encontra-se também aberto ao público em geral.
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=noticia&id=1123

Curso Livre “Compreender o Arquivo” | Início: 21 de Março |  Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Este curso tem como objectivo compreender o arquivo (entendido na sua dupla acepção como instituição e como conjunto documental) a partir da Arquivística, por um lado, e da História e das Ciências Sociais, por outro. Num primeiro plano pretende-se explorar diversas questões ligadas às funções, práticas e métodos do trabalho arquivístico. Num segundo, abordar-se-ão problemáticas que emergiram recentemente da História dos arquivos e da informação e que vieram alterar a relação da Arquivística, da História e das Ciências Sociais com os arquivos.
Em termos de público-alvo, este curso tem como destinatários principais os alunos de licenciatura (História e não só), de modo a despertá-los para este campo de estudo e de profissionalização, que a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa voltará a assegurar no corrente ano lectivo; e os estudantes de mestrado e doutoramento que procurem colmatar lacunas na área. Destina-se ainda ao público em geral e a proprietários ou responsáveis por pequenos e médios arquivos, que têm difculdade em encontrar formação deste tipo.
A acção divide-se em dois módulos. O primeiro módulo – Compreender o arquivo a partir da Arquivística – tem uma componente maioritariamente técnica, ligada ao trabalho arquivístico. O segundo módulo – Compreender o arquivo a partir da História e das Ciências Sociais – tem uma componente maioritariamente teórica, ligada a problemáticas relacionadas com a história dos arquivos e da informação
A acção distribui-se em 11 sessões de 2h. Em cada sessão os conteúdos serão expostos pelos respectivos docentes durante aproximadamente 1h30m, reservando-se o tempo remanescente para debate.
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/imagens/files/IEMActiv_2017_curso_livre_compreender_o_arquivo_programa_WEB.pdf

Society of Architectural Historians 70th Annual International Conference | 07-11 de Junho | Glasgow, Escócia
Meeting in Glasgow reflects the increasingly international scope of the Society and its conference, and we expect SAH members from all over the world to join us in Scotland’s largest city, world renowned for its outstanding architectural heritage. This is the first time that SAH has met outside North America since 1973. Architectural historians, art historians, architects, museum professionals and preservationists from around the world will convene to share new research on the history of the built environment. The Glasgow conference will include 36 paper sessions, eight roundtables, an introductory address and plenary talk, 33 architecture tours, the SAH Glasgow Seminar, and more.
+info/fonte: www.sah.org/conferences-and-programs/2017-conference-glasgow

Recursos
Inventário Temático Grupos Escolares construídos ao abrigo do Plano dos Centenários em Lisboa — 1944-1961
presente inventário temático surge no decurso do trabalho habitual de atualização dos registos de inventário do património arquitetónico existentes na base de dados do SIPA, nomeadamente nos imóveis construídos na tipologia “educativo” (entenda-se, edifícios construídos para o ensino) no concelho de Lisboa. Nesse âmbito, verificou-se a existência de imóveis com características perfeitamente enquadráveis nos cânones do Movimento Moderno, edificados pela autarquia lisboeta ao abrigo do programa de subsídios estatais atribuídos pelo Ministério das Obras Públicas para a construção de uma rede escolar, comummente conhecido por Plano dos Centenários. Coexistem assim, na cidade de Lisboa, erguidos numa mesma época e ao abrigo do mesmo programa construtivo, dois “géneros” de edifícios, com feições externas bastante diversas (por vezes mesmo na sua adaptação ao terreno), consoante resultem de promoção estatal ou camarária, embora sempre assentes numa mesma planta funcional.
Neste inventário ocupar-nos-emos apenas dos imóveis de promoção autárquica, por serem aqueles que mais se distanciam das características habituais traçadas para o Plano. Para a sua elaboração foi, assim, fundamental a consulta das peças documentais existentes no Arquivo Municipal de Lisboa (que incluem fotografias da construção e da inauguração destes grupos escolares), assim como a leitura cuidada dos Anais do Município de Lisboa e de alguns números da Revista Municipal, para além, claro, de outra bibliografia nacional existente sobre o assunto. A pesquisa documental foi complementada por visitas de reconhecimento e levantamentos fotográficos aos imóveis objeto do presente estudo.
+info/fonte: www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPAInventory.aspx?id=0e28f969-9077-4e14-9370-8059272e8f3f

Pesquisar no Site

Redes Sociais

Contactos

Morada

Museu Nacional de Arte Antiga
Rua das Janelas Verdes
1249-017 Lisboa

Telefone: 213 912 800

Fax: 213 973 703

E-mail: direccao@apha.pt